Tag Archives: Vampiros

Deixa ela entrar (John Ajvide Lindqvist)

Meu primeiro contato com o romance Deixa ela entrar, do sueco John Ajvide Lindqvist, foi através da adaptação para o cinema de 2008, chamada Låt den rätte komma in. O responsável pelo roteiro do filme foi o próprio Lindqvist, então rapidamente imaginamos que há uma grande aproximação entre o filme e o livro – o que para mim ficou evidente ainda no mesmo ano, quando li a tradução para o inglês da obra (chamada Let the right one in). E desde então muita água rolou, o filme ganhou uma versão americana (chamada de Deixe-me entrar, que eu ainda não vi), e agora a Globo Livros lançou uma tradução em português direto do sueco, com o título Deixa ela entrar, que tive a oportunidade de ler recentemente. Aviso de antemão que como eu não sei lhufas de sueco, qualquer comentário a seguir sobre a tradução é baseado em teorias e, bem, na lembrança da primeira leitura em inglês.

Até por causa da relativa demora para o livro chegar por aqui é importante contextualizar a obra, para compreender porque ela conquistou tanta gente. A estreia do filme em 2008 (o livro é de 2004) coincidiu com o auge da febre Crepúsculo, que trazia o conceito de vampiros para adolescentes. A franquia de Stephenie Meyer não é de maneira alguma precursora, mas é certamente uma das maiores divulgadoras de uma fórmula que foi repetida exaustivamente ao longo dos anos (na realidade, até hoje), sempre trazendo o amor impossível entre um ser sobrenatural (vampiro, lobisomem, fantasma, boitatá, ou o que for) com um humano. E Deixa ela entrar tem essa fórmula, porém de uma forma muito, muito diferente do que esperamos em livros do tipo. O livro acabou se tornando um anti-Crepúsculo, ou ainda, um Crepúsculo para quem não suporta uma dose muito alta de sacarina e prefere nossa realidade, muito mais dark.

Continue reading Deixa ela entrar (John Ajvide Lindqvist)

Advertisements

Dead Reckoning (Charlaine Harris)

Você acompanha a série da HBO, True Blood? Não gosta de ficar sabendo coisas do enredo antes da hora? Então é melhor não ler esse post aqui, porque ele fala do 11º livro da série escrita por Charlaine Harris, na qual é baseado o True Blood. Quem assiste sabe que algumas mudanças grandes do livro para a tv já apareceram, mas nunca se sabe o que é que eles poderão utilizar da história no papel que possa acabar com sua surpresa. Depois não diga que eu não avisei.

Charlaine Harris ganhou sustento para o resto da vida, especialmente depois que seus livros foram adaptados. Mas mesmo antes disso, ela já tinha lançado mão de um truque para fazer a história render: os eventos de cada livro acontecem de forma seguida, sem saltos temporais, e apesar da série ter aí 10 anos, Sookie mal envelheceu um. Claro que o tiro pode sair pela culatra, e render livros mais fraquinhos como o anterior Dead in the Family, mas esse não é o caso de Dead Reckoning, o mais recente publicado por Harris.

Continue reading Dead Reckoning (Charlaine Harris)

Alma e Sangue: O Pacto dos Vampiros (Nazarethe Fonseca)

O maior problema das séries literárias é que bem, elas são séries. Como tal, por mais que você se divirta em saber um pouco mais das personagens que gostou no primeiro livro, começa então a sentir aquela sensação de que seria melhor parar, antes que a trama desande. Foi o que eu senti ao ler O Pacto dos Vampiros, da brasileira Nazarethe Fonseca. Dando continuidade aos eventos de O Despertar do Vampiro e O Império dos Vampiros, vemos a personagem Kara Ramos enfrentar novos desafios na complicada sociedade vampiresca criada por Fonseca, cheia de regras, proibições e punições.

É preciso adiantar: O Pacto dos Vampiros não é ruim, é talvez o que tem mais ação dos três livros e finalmente resolve o problema com o qual eu implicava, daquela parte dedicada a um flashback bem no clímax da história. Ele ainda conta com pontos bastante favoráveis se comparar com o que tem saído de histórias de vampiros atualmente, como por exemplo o fato de a protagonista não ser uma mocinha indefesa que fica sentadinha esperando seu amor a salvar, ou ainda de a trama principal se sustentar só na melação do amor de uma mortal por um vampiro (a saber, Kara já é uma vampira desde o segundo volume).

Continue reading Alma e Sangue: O Pacto dos Vampiros (Nazarethe Fonseca)

Alma e Sangue: O Império dos Vampiros (Nazarethe Fonseca)

Dando continuidade à saga iniciada com O Despertar do Vampiro, Nazarethe Fonseca continua apresentando a vida de Kara e Jan Kman em O Império dos Vampiros. Como o próprio título já dá a entender, muito mais da mitologia do mundo inventado por Fonseca é apresentado para o leitor, com isso novas personagens e muitas outras subtramas, tornando a história de Kara e Jan ainda mais complexa do que era inicialmente no primeiro livro da série.

Recapitulando o evento mais importante do volume anterior, Kara foi transformada em vampira – o que já é uma grande diferença na maior parte das histórias de vampiros que tem sido publicadas atualmente, quando a “mocinha” sequer passa pela transformação, ou quando isso acontece, é mais próximo da conclusão da série. Chegamos então a’O Império do Vampiro com Kara escrevendo um manuscrito contando muito dessa vida de vampira, o problema é que esse é roubado, podendo expor segredos da sociedade secreta dos vampiros.

Continue reading Alma e Sangue: O Império dos Vampiros (Nazarethe Fonseca)

Mundo das Sombras: Vampiro Secreto (L.J. Smith)

Conhecida pela série Os Diários do Vampiro, L.J. Smith deixa os irmãos Salvatore de lado para contar outra história de vampiros com o lançamento de Mundo das Sombras: Vampiro Secreto. E é um começo do zero, em que mal dá para acreditar que trata-se de um mesmo tema abordado por uma mesma escritora, temos uma mitologia completamente renovada que em nada lembra as histórias anteriores.

Aqui somos apresentados à Poppy, uma garota comum que descobre estar com um câncer em fase terminal. Restando poucos dias de vida, ela acaba tendo que decidir se deixa seu melhor amigo James a transformar em uma vampira, ou se aceita a morte. Obviamente, ela fica com a primeira opção. Mesmo assim, não deixa de ser curioso que Smith tenha escolhido um tema tão pesado (câncer e morte) para um livro infanto-juvenil.

Continue reading Mundo das Sombras: Vampiro Secreto (L.J. Smith)

Alma e Sangue: O Despertar do Vampiro (Nazarethe Fonseca)

O mercado literário volta e meia é agitado por alguma mania: bruxos em tempos de lançamento de Harry Potter, teoria de conspiração envolvendo arte e história com O Código da Vinci, por exemplo. Mas poucas dessas “manias” tem durado tanto tempo quando a onda de vampiros. Desde o sucesso de Crepúsculo, um título após o outro é lançado, pelas mais variadas editoras no que parece ser uma febre sem fim. Mesmo com o anúncio da substituição dos dentuços por anjos, ainda assim eles seguem firmes nos lançamentos editoriais.

Um dos problemas disso é a repetição, já que poucos autores trazem realmente algum elemento inovador. Mirando o público infantojuvenil, boa parte desses livros de vampiros traz uma protagonista adolescente com problemas de auto-estima que se apaixona perdidamente pelo ser sobrenatural que revela-se bonzinho, lindinho e que em alguns casos até consegue se expor ao sol. E é aí que O Despertar do Vampiro, primeiro livro da saga Alma e Sangue de Nazarethe Fonseca ganha alguns pontos, justamente voltando “ao normal” quando se fala do mito.

Continue reading Alma e Sangue: O Despertar do Vampiro (Nazarethe Fonseca)

Mr. Darcy, Vampyre (Amanda Grange)

mdvwhiteborder-amanda-grangeAlgumas personagens conquistam os leitores de tal maneira que parece que um romance só não basta. A pessoa quer saber o que aconteceu antes e o que veio depois, quer mais daquela figura que tanto a encantou. É o caso de Mr. Darcy, acredito eu. O “herói” de Orgulho e Preconceito (de Jane Austen) arranca suspiros do público feminino até os dias de hoje e mais do que isso, gerou um filão de obras que tentam descrever o que aconteceu depois (caso não acredite, dá uma consultada em “Mr. Darcy” na amazon.uk para conferir). “Obras” é meio que elogioso, no final das contas acho que não é muito diferente de qualquer fanfic (a não ser pelo fato de que vem impresso, há!).

É o caso de Mr. Darcy, Vampyre, de Amanda Grange (escritora dita como especialista em Jane Austen). Ok, vamos então primeiro ao contexto que é sempre importante para entender a opinião do leitor sobre o livro comentado. Eu tinha lido esse ano Pride and Prejudice and Zombies do Seth Grahame-Smith. Quando comprei sabia que tratava-se de uma paródia, e que portanto a ideia era rir (e se divertir, é óbvio). Mas não foi bem o que aconteceu, achei o livro bem chatinho e com poucos momentos que realmente tinham graça.

Continue reading Mr. Darcy, Vampyre (Amanda Grange)

O Beijo das Sombras (Richelle Mead)

obeijosomEu sei que o primeiro impulso de quem acaba sabendo um pouco mais sobre o livro de Richelle Mead, O Beijo das Sombras é compará-lo com o sucesso de Stephenie Meyer, Crepúsculo. Natural: ambos têm vampiros, romance e os adolescentes como público alvo. Mas as comparações acabam por aí. Até por alguns elementos das histórias, acho que ela terá maior apelo sob o público masculino do que a série de Meyer (para quem os meninos torcem o nariz por considerá-la “melada” demais).

A sinopse diz:

Lissa é a princesa de um clã muito importante. Sua melhor amiga Rose é meio vampira, meio humana, e tem como missão se tornar guardiã da amiga. Há dois anos elas estão fugindo, mas agora foram capturadas e estão sendo levadas à força para a escola de vampiros São Vladimir — justamente o lugar onde elas mais estão em perigo.

Continue reading O Beijo das Sombras (Richelle Mead)

Vampiros na Literatura

vampiroHistórias de vampiros existem desde sempre. Mesopotâmia, Roma, Grécia… Todas as culturas antigas já apresentavam contos sobre os seres sobrenaturais que se alimentavam de sangue e tinham vida eterna. Mas o primeiro registro literário relacionado às criaturas trata-se de um poema alemão escrito em 1748 por Heinrich August Ossenfelder: Der Vampir. A partir disso temos várias obras com pelo menos alguma menção ao mito vampírico, entre elas The Bride of Corinth (1797) de Goethe e Christabel de Samuel Taylor Coleridge.

Anos e anos depois várias personagens desfilaram pela galeria dos vampiros literários, e mesmo atualmente o tema ainda rende obras variadas (e agora adaptações para o cinema também). E pensando justamente nessas obras que faço aqui uma lista de sugestões para você que gosta de histórias de vampiros, mas não quer ler  Crepúsculo.

Continue reading Vampiros na Literatura