O violinista e outras histórias (Herman Melville)

A vida de um escritor sempre vem carregada de ironias. Vide o caso do autor norte-americano Herman Melville, famoso pelo catatau Moby Dick, e que por outro lado tem algumas de suas obras mais curtas (contos e novelas) completamente ignorados pelo público. O que não deixa de ser uma pena, porque Melville se sai muito bem nesse estilo de narrativa mais breve, o que fica óbvio em trabalhos como Bartleby. E é até por causa dessa dificuldade em reconhecê-lo não só como o escritor de Moby Dick que a coletânea  O violinista e outras histórias, lançada recentemente pela editora Arte&Letra, é simplesmente essencial para quem quer conhecer mais sobre ele.

O livro traz sete contos de Herman Melville, (muito bem) traduzidos por Lúcia Helena de Seixas Brito. São como pequenos recortes da vida do século XIX, e talvez por isso mesmo acabará agradando bastante aqueles que tem gosto pela literatura da época.  Mas o que se destaca nesses contos é como a leitura que se faz deles pode ser tão atual mesmo nos dias de hoje.

A palavra de ordem é alegoria, o dizer o outro. Em um retrato que em uma primeira leitura possa soar como simplesmente do cotidiano, acaba vindo carregado de outras leituras possíveis, de muitos outros significados. Acredito que o melhor exemplo disso seja o conto O homem dos para-raios, que descreve o encontro entre o vendedor de para-raios e um sujeito em uma noite de tempestade. A ideia no desfecho do texto, denunciando aquele que vende medo enquadra-se tão bem em tanto do que se vê hoje em dia, na polícia (medo do terrorismo), na saúde (medo de envelhecer), no social (medo de ficar só). Quanta coisa não compramos porque sentimos medo, sem sequer percebê-lo? Ideia genial, trabalhada muito bem por Melville.

O violinista (que abre a coletânea) tem um tom bastante familiar. No prefácio Caetano W. Galindo traça uma comparação com Machado de Assis, e acredito que ele esteja certo sobre isso. É quase como se o leitor já conhecesse o estilo de Melville, mas na realidade o reconhecimento vem da lembrança do modo de escrever de outro autor. A familiaridade imediata com a prosa do escritor norte-americano acaba fazendo com que a leitura flua ainda melhor.

Como pequenos retratos da vida no século XIX, mesclado às vezes com o fantástico, às vezes com uma ironia sutil, o narrador se apresenta a todo momento com tom de conversa, de quem conta um “causo”, o que faz histórias como O paraíso dos solteirões e O inferno das donzelas (que se completam) tão boas. Definitivamente, vale a pena conhecer esse lado de Melville presente na coletânea O violinista e outras histórias, especialmente para aqueles que já o conheceram como romancista.

Saiba mais sobre essa e outras obras no site da Editora Arte & Letra

DISCUTA ESSE ARTIGO NO FORUM MEIA PALAVRA

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s