Never Let Me Go (Kazuo Ishiguro)

Aqui vou ter que pedir que quem não leu o livro confie em mim e vá ler antes de continuar lendo esse post. Porque ao contrário do que aconteceu com Pequena Abelha, no caso de Never Let Me Go de Kazuo Ishiguro (publicado no Brasil pela Companhia das Letras como Não me abandone jamais) quanto menos você souber sobre o livro melhor. MESMO. Parte do que me fez gostar tanto do livro foi poder me surpreender com a história, mas infelizmente para comentá-lo terei que expor o enredo. Então vá atrás de Never Let Me Go (não vale roubar e assistir ao filme, heim!) e depois volte aqui.

Então que era tanta gente lendo aqui e acolá, comentando sobre o filme e tudo o mais que resolvi conhecer a obra de Ishiguro. Como sempre faço antes de comprar qualquer livro, dei uma olhada em sinopses para saber do que se tratava. Todas que li falavam a mesma coisa: três amigos que cresceram em um internato quando adultos precisam lidar com a realidade que terão que encarar. A narrativa é dividida em três momentos, sendo o primeiro o que descreve a infância desses três amigos: Kathy (a narradora), Tommy e Ruth.

E tudo vai bem e você pensa que será uma daquelas histórias bonitinhas como o delicioso Conta Comigo que vira e mexe passava na Sessão da Tarde. Uma história sobre o valor da amizade, do amor e principalmente da dificuldade que é crescer, se tornar adulto. E não é que o livro não seja sobre isso também. Mas chega um dado momento ainda nessa primeira parte que você descobre, do nada, com uma simples frase que bem, o que você tem em mãos é ficção científica.

Quer dizer, não é “do nada”. O autor coloca pistas sutis para o que virá a seguir, mas em um primeiro momento o que temos é Kathy descrevendo sua infância no internato de Hailsham. Logo o leitor começa a indagar como é que aquelas crianças nunca deixavam o internato, ou ainda, como é que nunca mencionavam os pais ou qualquer outro parente. Isso soava estranho. Mas também a profissão de Kathy não fazia sentido inicialmente, uma “cuidadora” (carer no original, não sei como ficou na tradução), que tomava conta dos “doadores” (donors no original).

Confesso que cheguei a consultar o dicionário para ver se não havia algum outro significado para essas palavras que eu então desconhecia. Inicialmente pensava nos doadores como doentes terminais, sofrendo de algum mal como o câncer. Mas continuava não fazendo sentido. É então que em um momento uma guardiã revela para os pupilos (e os leitores): eles foram criados para doarem seus órgãos. Aos poucos ficamos sabendo mais sobre isso, que são na realide clones da escória da sociedade, que estão sendo educados para no futuro serem nada além disso, doadores ou cuidadores.

É simplesmente assombroso como para Kathy mesmo essa verdade não chega a afetá-la, pelo menos não do modo que faz com o leitor. É como ela revela em dado momento: no internato sempre prepararam os alunos para isso, mas tomando o cuidado de contar algo sempre no momento em que eles ainda não tinham maturidade para lidar com a informação. Mas quando o fato de que eles são clones feitos para doarem órgãos é revelado, a leitura do livro muda completamente. É impossível ficar sem questionar o horror da situação daquelas crianças, que precisam fazer arte e poesia para provarem que tem uma alma.

E é realmente espantosa a forma como Ishiguro desenvolve suas personagens e a narrativa, que é de uma delicadeza ímpar, mas ao mesmo tão pesada e tão triste. O desfecho é desolador, mas ao mesmo tempo em que você descobre com Kathy e Tommy que não há esperanças para o futuro deles, ainda assim você se prende à história desejando que isso não seja verdade. O que o autor faz é simplesmente cativar o leitor de tal modo que esse não consiga questionar se clones seriam realmente humanos. Eles são.

Uma história linda, poética, cheia de pequenos significados nas entrelinhas. Fico feliz que tenha lido sem saber nada sobre Never Let Me Go e tenha além do prazer da leitura de um ótimo livro, também a oportunidade de me surpreender com a narrativa no momento em que fica evidente o que ela realmente é.

ISHIGURO, Kazuo. Não me abandone jamais. Companhia das Letras, 2005 (1ª edição). Tradução: Beth Vieira. 344 págs. Preço sugerido: 55,00

Saiba mais sobre essa e outras obras no site da Companhia das Letras

COMENTE ESSE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

Advertisements

One thought on “Never Let Me Go (Kazuo Ishiguro)

  1. Oi Anica, adoro os seus posts…
    Eu sei que este aqui é de fevereiro deste ano, mas não poderia deixar de comentar sobre ele, pois eu li o livro a semana passada (agosto/11).
    Vi o dvd do filme “Não me abandone jamais” e fiquei pensando: parece que eu já vi um livro com esse título.
    Fui pesquisar e encontrei o seu post e segui a risca a sua recomendação: corri pra ler o livro antes de assistir ao filme e ADOREI…
    Não consigo me “livrar” da sensação que o livro me deixou.
    Só depois fui assistir ao dvd e na cena do grito do Tommy voltando da visita na casa da Madame eu chorei sem parar, parece que toda a emoção que o livro me trouxe ficou contida até assistir aquela cena.
    Valeu muito a sua dica porque se eu tivesse assistido antes de ler, tenho certeza que o livro não me daria o mesmo prazer!!!!

    Beijos,

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s