Memórias do Subsolo (Fiódor Dostoiévski)

Sempre lembro de um momento em O Tempo e o Vento de Érico Verissimo no qual uma personagem dizia que O Capital de Marx era o livro mais citado e menos lido de todos os tempos. Se fôssemos esticar o raciocínio para um autor, tenho certeza que o campeão seria o russo Fiódor Dostoiévski. Por alguma razão que me escapa ele ganhou fama de “leitura difícil”, e por consequência quem o lê seria automaticamente uma pessoa inteligente. Portanto o autor consta em diversas listas de livros favoritos, muitas vezes mais como uma espécie de troféu “ah, eu venci essa leitura!” do que como uma indicação de prazer. O nome na lista não significa necessariamente que o autor foi lido, pelo menos não no sentido de imersão na obra.

Bobagem sem tamanho, tanto o medo da leitura (classificando um autor como difícil sem conhecê-lo) assim como usar leituras como troféu. De que adianta dizer que leu Dostoiévski se nada foi absorvido? E claro, isso vale para qualquer autor. Então, antes de descermos ao subsolo, vamos combinar isso: o importante é ler o que você gosta. Leia Dostoiévski sim, mas porque você deseja, e não porque vai parecer mais inteligente para outras pessoas.

Até porque tomando Memórias do Subsolo, o estilo de narrativa do autor russo é até bastante simples. A começar, trata-se de uma novela, um texto mais curto que um romance (e portanto com menos espaço para complexidades). Mas o livro está muito bem estruturado, dividido em duas partes e montado em três momentos básicos com os quais é impossível o leitor se perder: o discurso de abertura, o encontro com os amigos e Liza. Talvez o momento inicial, com a verborragia do homem do subsolo precise de um pouco mais de fôlego do leitor (inclusive a sensação que tenho é que essa parte deveria ser lida de uma vez só, sem pausas), mas quando partimos para as lembranças do narrador do encontro com os amigos e de Liza, temos um discurso bem normal, fácil de acompanhar.

Eu insisto nesse ponto porque eu não acredito que a dificuldade em Dostoiévski more no modo como ele escreve, mas do que ele fala. Tomando o protagonista-narrador, o homem do subsolo é cheio de mesquinhez, pequenezas. Sentimentos e pensamentos que já vivenciamos em algum momento, porque somos humanos, imperfeitos, anti-heróis ambulantes. Mas dói reconhecer semelhanças em uma personagem como o narrador. Queremos nos ver em atos brilhantes, no melhor de uma personagem, e não no que ela tem de mais pequeno e perverso.

O comportamento do narrador no encontro com os amigos é onde isso fica mais evidente, especialmente em relação a Zvierkóv. Ele crê-se superior ao conhecido, mais inteligente. Mas ao mesmo tempo falha em um aspecto que esse amigo “inferior” parece se dar muito bem, viver em sociedade. Com Liza, quando essa o visita em casa, novamente temos o choque do superior/inferior – com o narrador humilhando a moça porque ela sente pena dele.

O “subsolo” constantemente citado pelo narrador fez com que eu lembrasse de Gaston Bachelard em Poética do Espaço: é uma representação da alma. O homem que se fechou tanto dentro de si que desconhece a maneira de agir (e mesmo a necessidade de fazê-lo) em sociedade. É um mergulho, rápido mas denso, ao que temos de negro dentro de nós mesmos.

Por isso insisto novamente no convite inicial: deixe de lado a ideia da leitura a ser vencida e usada como troféu. Leia Memórias do Subsolo pelo prazer de reconhecer como um autor conseguiu fazer essa jornada até o fundo do ser humano, sem medo de retratá-lo com suas imperfeições, pensamentos e sentimentos mais obscuros.

Em tempo: não sei russo, portanto não posso avaliar a tradução desta edição da Editora 34 sob esse aspecto. Mas o texto de Boris Schnaiderman flui muito bem, sem momentos de estranheza, e vem repleto de notas bastante elucidativas sobre o contexto social.  A tradução foi originalmente publicada pela José Olympio na década de 60, sendo relançada pela Editora 34 no ano 2000. Um resgate importante de um texto fundamental na biografia de Dostoiévski.

COMENTE ESSE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

Advertisements

2 thoughts on “Memórias do Subsolo (Fiódor Dostoiévski)

  1. Essa desculpa da leitura difícil é o que mais afasta os leitores de autores muito bons. Não creio que as pessoas leiam por teimosia ou para parecer inteligente. Para esse último é mais fácil, hoje em dia, buscar citações, estudos e tudo mais sobre a obra e saber o mínimo (tem pessoas que nem para isso dão atenção). Por outro lado quando classificam uma história (não só um autor) como sensacional e você por pura curiosidade vai procurar e não consegue passar das 20 páginas iniciais se sente incapacitado. Eu me sentia assim com Ulisses (James Joyce), mas depois de “ignorar” o calhamaço cabeça que comecei a ler foi que percebi que era um livro divertidissimo e não apenas um objeto de estudo.

    Enfim, eu não conheço toda obra do Dostoiévski só o básico: Crime e Castigo, Noites Brancas, Uma criatura dócil e Irmãos Karamazov; esse livro sempre me escapa das mãos, shame on me.

  2. É, eu também não acho que a leitura seja dificil como certos livros de filosofia que existem por ai, como por exemplo o ser e o nada do Sartre. Na realidade é um texto muito claro o de dostoievski, o que o torna dificil realmente, como você ja disse, é que muitas vezes nos identificamos com certas características de seus personagens, e quanto mais nos aprofundamos no texto, mais nos sentimos como os personagens, quando eu termino de ler o livro, talvez não seja capaz de fazer nem um comementario satisfatório sobre o que li, mas determinadas cenas ficam impregnadas em nossa mente, e são cenas chocantes capazes até de deixar o nosso humor um tanto quanto sombrio, e se vc ler toda a obra de dostoievisk, sua consciencia estará irremediavelmente comprometida, pois como o proprio homem do subsolo diz ” Uma consciencia hipertrofiada é uma doença, e digo mais, até uma consciencia normal já é uma doença…”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s