Melhores leituras do ano

Celebrando o fim de 2009 perguntamos aos membros do Fórum Meia Palavra: Qual o melhor livro que você leu esse ano? As respostas foram as mais variadas possíveis, e listaremos aqui para que sirva como uma lista de sugestões de leitura para 2010. Assim, convidamos todos os leitores do blog não só responder essa pergunta no espaço dos comentários (ampliando assim a lista de recomendações), mas também a visitar o Fórum Meia Palavra, para conversar sobre o que mais gostamos: Literatura. Um feliz 2010 para todos, cheio de ótimas leituras!

Qual o melhor livro que você leu esse ano?

Liv: O Clube do Filme (David Gilmour)clubedofilme

Eu nunca gostei de livros com aquela cara de auto-ajuda, mas mordi minha língua. Não que o Gilmour te dê 10 dicas pra alcançar o reino do céus, mas depois desse livro, eu vi que é muito difícil um pai admitir que o filho cresceu e deixar ele quebrar a cara sozinho, eu vi que preciso conhecer muito mais o cinema – e que posso aprender muitas coisas com filmes. Ah, claro, esqueci da questão pedagógica nisso tudo: Dá pra educar alguém sem ir à escola?

Anica: World War Z (Max Brooks)worldwarz

Mais zumbis? Sim, mais. Mas mesmo que você não seja lá muito fã de histórias com mortos-vivos, vale a pena a leitura pelo que Max Brooks faz com o que já é um tema tão batido. A ideia da contrução da história a partir de depoimentos dos sobreviventes do que seria uma guerra mundial contra os zumbis é perfeita para uma metáfora sobre como é fácil simplesmente deixar a humanidade de lado. É uma obra marcante, uma pena que ainda não tenha tradução para o português, embora eu ache que com o filme que está para sair logo chega por aqui.

Clara V.: Todos os nomes (José Saramago)todososnomes

Um livro não muito famoso do escritor português e que foi uma agradável surpresa para mim, talvez por me identificar com a solidão da “mulher desconhecida” e o trabalho burocrático do Sr. José (personagem principal e o único identificado com um nome, no livro). O que mais me tocou na história foi o humor e a delicadeza com que o Saramago descreve a personalidade e as desventuras de um personagem que, nas mãos de um outro escritor, seria só um homem medíocre e ridículo nadando contra a corrente do senso comum que rege a vida em sociedade.

-Arnie-: O morro dos ventos uivantes (Emily Brontë)o.morro.dos.ventos.uivantes

É dificil sintetizar aquilo que sentir ao ler O Morro dos Ventos Uivantes. primeiramente achei que iria dar de cara com um romance besta, daqueles bem açucarados e melosos. Acabo dando de cara com uma história de amor, sim, mas violenta e arrebatadora. Heathcliff e Nelly agora fazem parte de mim. Quem ainda nao leu O Morro dos Ventos Uivantes, está deixando de lado um dos melhores romances da Literatura.

Kika_FIL: Musashi  (Eiji Yoshikawa)musashi

Este é um livro que levei ANOS para tomar coragem e ler… E valeu a pena. A história de Miyamoto Musashi, nas palavras de Eiji Yoshikawa, é absolutamente perfeita. Trata de crescimento pessoal, tanto físico quanto espiritual, do despertar de um homem e de uma mulher, de todas as peculiaridades do Japão feudal. Uma lição de cultura japonesa que há tempos precisava tomar. E uma lição de vida maior ainda. Colocaria na lista dos 100 livros que todas as pessoas precisam ler antes de morrer.

Rafaela: As Crônicas do Mundo Emerso – A Garota da Terra do Vento (Licia Troisi)Nihal_na_Terra_do_Vento

É um épico de fantasia com qualidade comparável à Harry Potter e O Senhor dos Anéis, muito bem construído, tem um mapa muito bem planejado, a história apesar de tratar de um assunto batido, o vilão que quer dominar o mundo através do medo e da destruição e um herói, no caso, heroína, com sérios problemas psicológicos, achei que a forma que foi escrito o transformou em algo especial. Já comprei o segundo mas ainda não li.

.Izze.: Uma Crença Silenciosa em Anjos (R. J. Ellory)Corr_CpCrencaSilenciosaEmAnjos.pdf

De início era um livro cuja sinopse parecia boa. Me ofereceram e aceitei. Mas ele não é um livro comum. Foi o que mais me surpreendeu nesse ano e está entre os preferidos dentre outros que li durante todo meu período de leitora. É uma história que te faz chorar o tempo todo, que te põe pra baixo, que te tortura. Mas que é impossível de largar, pois sempre vamos torcer para que tudo de certo. E o autor surpreende, porque você pensa “não, já deu muita coisa ruim”, mas ele não para. Pode ser pesado para alguns, pois trata de assassinatos de um serial killer que acompanha toda a vida da personagem principal, e algumas coisas são bem detalhadas. E se você se envolve demais com ela, com certeza vai sentir parte da dor que ela enfrenta. Super cativante, muito bem construido e com certeza um livro que vai emocionar muita gente.

Aielicram:  O Menino do Pijama Listrado (John Boyne)livro_menino_pijama_listrado

Um livro curto, de um tema batido, mas surpreendente. A história dos acontecimentos de um campo de concentração nazista, ou melhor, do seu redor, do ponto de vista de um garoto, que não sabe exatamente o que acontece, é muito interessante. E o final, apesar de previsível, me deixou com aquela “esperança” de que pudesse ser diferente, e não foi, o que excelente para o desfecho do livro.

Mi Müller: No mundo dos livros (José Mindlin)nomundodoslivros

Pporque ele mudou muito a minha relação com a leitura, me libertei de preconceito e para além disso foi fascinante adentrar na história da formação do José Mindlin como leitor, quais livros foram marcantes pra ele, como iniciou sua famosa coleção, como ele se tornou bibliófilo, qual a relação dele e da família com os livros e saber que a loucura mansa, como ele chama o vicio da leitura pode mudar uma vida!

Nana: Crime e Castigo (Fiódor Dostoiévski)crimecastigo

Não preciso nem pensar! Crime e Castigo, Dostoievski. Bem, depois de alguns anos da linda edição da Editora 34 morar na minha estante, tomei coragem e li. Na verdade, li porque decidi fazer um trabalho para a faculdade (confesso que me arrependo de ter feito o trabalho, mas valeu pela leitura).

Sem sombra de dúvidas esse foi o livro mais angustiante que já li e o Rodka é um dos personagens mais intrigantes que a minha curta vida de leitora já presenciou. Terminei o livro já querendo recomeçar, mas como a fila é grande e o tempo é curto…

Line: O Codex 632 (José Rodrigues dos Santos)codex

Quem gosta de história geral e mistério, esse livro é uma delícia. Mais ou menos no estilo do Código da Vinci (mas em minha opinião, muito melhor), o escritor coloca à tona novamente a questão da nacionalidade de Cristóvão Colombo. RECOMENDO!

walbher: Dance Dance Dance (Haruki Murakami)dancedancedance

Me deixou absorvido na leitura e criou personagens e situações interessantíssimas de um jeito que nem Nick Horby em um momento mais inspirado conseguiria criar. Apesar de ser pop, Haruki Murakami fala da condição do homem do fim do século XX com muita inteligência e com diálogos e descrições maravilhosas. Alguns personagens, como o principal, Yuki e a moça da recepção do hotel são inesquecíveis. Lendo-o ganhei um gás esse ano.

Mago de Oz:  As Crônicas de Artur (Bernard Cornwell) boxartur

Tudo que eu já tinha provado sobre se apegar a personagens, me sentir nervoso durante a leitura me pareceu nada durante esse livro. Cornwell me faz odiar e ao mesmo tempo amar os personagens, de uma forma tão intensa, que nem durante o sono eu tenho sossego. Tá entre os meus livros preferidos.

Mariana Ventura: Crepúsculo (Stephenie Meyer) crepusculo

Primeiramente gostaria de comentar sobre a saga Crepúsculo. Sei que estou atrasada e que todo mundo já leu faz muito tempo, portanto, não devem mais achar tanta graça e nem tão fantástico assim, mas… Como fui ler só agora no começo de dezembro, sim, vou escolher a saga como um dos melhores que li no ano pelo “efeito” que ela causou em mim. Ri, chorei, fiquei com raiva, xinguei, fechei o livro (eclipse) decidida a parar de ler por conta de atitudes da protagonista que me enfureceram o coração etc, etc, etc. Portanto, pelo efeito causado elejo toda a saga como um dos melhores que li no ano.

Katrina Galad: Baudolino (Umberto Eco)baudolino

2009 foi um ano de ótimas leituras, mas entre tantos livros ótimos fico com Baudolino. O escolho devido à duas razões principais: o misticismo envolvido (há tempos que queria ler o livro) e a descoberta (descobri Eco com esta obra e devido à ela tive vontade de buscar outras obras do autor para ler). No mais, me encantei, chorei, ri, gargalhei, fiquei de queixo caído, atingi graus extremos de incredulidade com as histórias de Baudolino. De tantas mentiras vi surgir realidades, alternativas mas não menos reais devido a isso. Acho que muitos já estão enjoados de me ouvir (ler) falar (escrever) sobre este livro, mas o Recomendo (com letra maiúscula).

Pescaldo: Doutor Fausto (Thomas Mann)DOUTOR_FAUSTO_1231164435P

Fantástico livro. O livro vale a pena ser lido para ver a derrocada de Adrian Leverkhun (nunca acerto o nome dele) em sua incursão pelo mundo musical do século XIX. Um retrato do ser humano, um Fausto remontado, um relato da Alemanha nazista. Todas essas leituras são possíveis e uma mais surpreendente que a outra.

Acabei comprando no desespero monográfico e acabei utilizando só como apoio (apesar de servir de um corpus maravilhoso). É um livro razoavelmente complicado de ler, a história é bastante morna e praticamente não tem clímax, porém os momentos memoráveis são o diálogo com o demônio (uma crítica a tudo e a todos, fantástico!) e os capítulos finais que, aí sim, fazem valer toda a leitura da trajetória do genial músico.

Desde Dom Quixote (lido no colegial) um livro não me emocionava tanto ao ponto de ter que me retirar para o banheiro da biblioteca e descambar em chorar. A leitura vale muito à pena e o depoimento final de Leverkhun vale cada sílaba lida nas outras oitocentas páginas.

Tauil:  Fome (Knut Hamsun)fome-794966

Dizem que, por prezarem tanto pela palavra exata, os melhores tradutores são os poetas. Confirmo. Com tradução de Carlos Drummond de Andrade, “Fome” é instigante, não quis parar e lamentei quando cheguei ao final. Incomoda, também, todos os acomodados que não tiveram contato com a realidade famélica presente nas ruas. É uma obra que atinge perfeitamente seu objetivo: mexer com nossos valores. Um tapa. Delicioso, mas ainda assim um tapa.

caraquel: Os estranhos sinais de Saturno (Roberto Piva)piva_saturno_capa

O melhor livro que li no ano foi “Estranhos sinais de Saturno” do Roberto Piva. Saiu pela editora Globo que fez 3 livros com toda a obra de Piva, O Estranhos sinais de Saturno é o terceiro volume e traz, assim, o relançamento integral de Ciclones, de 1997; o lançamento do livro inédito que dá título ao volume; um terceiro grupo de “manifestos” e, por fim, um CD contendo poemas lidos pelo seu autor. O CD é muito boom, Piva tem uam voz grave e muito bonita, é contagiante o jeito que ele lê.

Luciano R.M.: Liquidação (Imre Kertész)liquidação

Uma escolha difícil. Eu fico entre ‘La Velocidad de las Cosas’, do argentino Fresán e ‘Liquidação’, do judeu-húngaro laureado com o nobel Imre Kertész. No fim, escolho Kertész: o livro é de um peso absurdo, fazia muito tempo que eu não lia nada que me tocasse assim. E não se trata de sentimentalismo: é um negativismo extremamente cru para com a vida, a sociedade e a arte- negativismo extremamente realista e doloroso.

Wilson: O Coração das Trevas (Joseph Conrad)O Coracao das Trevas

Um só??? Dificil. Ano de boas leituras. Meu voto vai pra Coração das trevas, do Joseph Conrad. Em apenas 3 capítulos, com uma prosa muito bem trabalhada e condensada ao ponto certo, sem exageros desnecessários, hipnotizante, brilhantemente descritiva, de diálogos e insights inspirados, Conrad une temas tão diversos como a loucura e a política imperialista da Inglaterra no continente africano.

Menção honrosa: A nascente, de Ayn Rand, Café-da-manhã dos campeões, de Kurt Vonnegut, e Caçando carneiros, de Haruki Murakami.

Pips: A Invenção de Morel (Adolfo Bioy Casares)morel

Todos os livros que li e gostei esse ano fiz um artigo no blog Meia Palavra, mas acho que um que vale citar por um bom tempo é A Invenção de Morel. A Invenção de Morel conta a eterna busca do homem pela liberdade (e assim a prisão de viver numa eternidade apatica), pela superação do poder de Deus e do amor platônico, tudo de maneira amarrada através de uma narrativa-diário. Não se engane pelas descrições do autor, muitos dos seus sentimentos podem parecer intangiveis, mas fazem parte da agonia de qualquer ser humano, prisioneiro de sua consciência e de seus medos.

COMENTE ESSE ARTIGO NO FÓRUM MEIA PALAVRA

3 thoughts on “Melhores leituras do ano

  1. Destaco duas, embora tenha outras leituras que fiz durante o ano e que não consigo me lembrar agora.

    01. A saga da Torre Negra (com menção honrosa ao volume 3, já que só li até o volume 4 em 2009)
    02. O Senhor das Moscas, do William Golding.

  2. O melhor livro do ano p/ mim foi: “200 anos depois”, de um escritor pouco conhecido. A estória é apaixonante e envolvente. Quando se comeca a ler, nao da pra parar. É impressionante!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s